segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

MENSAGEM DO STTR AOS ASSOCIADOS



Um Feliz   Ano Novo
O  STTR (SINDICATO DOS TRABALHADORES(AS) RURAIS,  deseja a todos os Associados(as) melhores votos de paz, saúde e um bom 2013.
Queremos que vocês  continue sempre com essa alegria, com esse companheirismo e você continue nos prestigiando com a sua preferência e a sua atenção, pois só assim, teremos motivos para continuar sempre buscando o melhor.
Bom 2013!
Que nesse final de ano, você possa somar todas as alegrias e dividir o seu entusiasmo de ser feliz sempre.
Somos privilegiados porque contamos com a sua amizade e preferência, com seu apoio e sua opinião.
É com muito prazer que atendemos a todos sócios. A nossa meta é oferecer-lhes  sempre o melhor.
Receba o nosso carinho, o nosso muito obrigado por tudo e tenha  ótimo ano 2013.
Todos(as) da DIRETORIA DO STTR.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

COMUNICADO




A EMATER comunica aos agricultores familiares do município que a coordenação nacional do programa Garantia safra prorrogou as inscrições até o dia 11 de janeiro/2013.
OBS: Os interessados devem se dirigir ao escritório da EMATER, que localiza-se na rua Cândido Jose Ramalho, nº 135, Conjunto Liberdade, próximo ao mercantil JOYCE - portando o CPF.

Felipe Guerra - RN, 21 de dezembro de 2012.




Hudson Ramalho da Costa
Analista de Extensão Rural – Engenheiro Agrônomo
EMATER – Felipe Guerra

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Salário mínimo será R$ 678 a partir de janeiro

O valor do salário mínimo será R$ 678 a partir do dia 1° de janeiro de 2013. O decreto será publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (26). Atualmente, o salário mínimo é R$ 622.
De acordo com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que fez o anúncio na última segunda-feira a pedido da presidenta Dilma Rousseff, o reajuste, de cerca de 9%, considerou "a variação real do crescimento" e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).
"Ela [Dilma] fez questão de que isso ocorresse na véspera do Natal", disse a ministra. A proposta da Lei Orçamentária de 2013 previa o mínimo em R$ 674,96 a partir de janeiro.
Além do reajuste do salário mínimo, o governo anuncioutambém a isenção de imposto de renda sobre a participação nos lucros e resultados de até R$ 6 mil e escalonamento de alíquotas para benefícios acima desse valor.
Fonte: Agência Brasil

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

RN tem pior produção agrícola dos últimos 40 anos

Os agricultores do Rio Grande do Norte passaram por momentos difíceis este ano. A escassez de chuvas impossibilitou as plantações e dificultou a alimentação dos animais. O presidente do Sindicato da Lavoura, Francisco Gomes, avalia o ano como muito ruim.
"Foi o pior dos últimos 40 anos porque não choveu. Como consequência, muitos poços secaram e muitas comunidades ficaram sem água. Em Mossoró a situação foi difícil, mas em outras localidades do Estado foi ainda pior. A esperança é que tudo mude no próximo ano", avalia Francisco Gomes.
Ainda segundo o presidente, as medidas emergenciais lançadas pelos governos não ajudaram muito. "Os benefícios não resolveram a vida de ninguém, principalmente porque os valores são insignificantes e a burocracia para se ter acesso a eles é muito grande. Então fica muito difícil", destaca o presidente do sindicato.
Sobre as perdas, Francisco Gomes afirma que foram muitas. "A produção foi zerada e muitos agricultores precisaram vender os animais, seja por falta de dinheiro ou por falta de comida para alimentar a criação. O pior é que as previsões para o próximo ano não estão muito animadoras", comenta.
Ele afirma que o sindicato já está tomando algumas medidas com receio de que a seca tenha continuidade em 2013. "Já estamos acionando os governos para que se não tiver inverno, eles se antecipem para socorrer os agricultores. Destaco que os Orçamentos da União, Estados e Municípios sempre destinam altos valores para outras áreas e esquecem da agricultura. Isso precisa mudar", completa o presidente do sindicato. 

Previsão para o primeiro trimestre do ano é desanimadoraA primeira previsão oficial para o primeiro trimestre de 2013 já saiu e foi elaborada pelos meteorologistas do setor norte da região Nordeste, no início desta semana. A previsão não é muito animadora para os agricultores, já que a estimativa é de que as chuvas fiquem na média ou até abaixo da média.
"Ainda estamos muito distantes do período chuvoso da região, que fica entre os meses de fevereiro e maio, com a maior concentração de chuvas nos meses de março e abril. Por causa da distância, as previsões não têm uma confiabilidade muito grande. Hoje em dia não podemos mais nos antecipar porque o clima da Terra tem mudado muito e ficado inconstante", comenta o meteorologista José Espínola, professor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa).
Segundo o meteorologista, 95% das chuvas na região são causadas pela Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). "As nuvens são direcionadas para a região Amazônica. Quando a temperatura do oceano Atlântico esfria acima da Linha do Equador e esquenta abaixo, as nuvens são direcionadas para a nossa região e temos um bom período invernoso", explica o docente.
No entanto, de acordo com José Espínola, as temperaturas estão invertidas. "Nesse momento a temperatura está quente acima da Linha do Equador e fria abaixo dela. Mas isso pode mudar e as nuvens serem direcionadas para a região. Quando isso acontece começa a chover primeiro no Maranhão e Piauí e depois as nuvens vão descendo mais para o Ceará até chegar ao Rio Grande do Norte", comenta o meteorologista.
Diante das mudanças que podem ocorrer, os meteorologistas do setor norte da região Nordeste voltam a se reunir em janeiro para atualizar e melhorar a previsão inicial. Mais outras duas reuniões também estão previstas para acontecer nos meses de fevereiro e março.

O Mossoroense:

SINDICATO DOS TRABALHADORES(AS) RURAIS PASSA POR REFORMA






        O STTR (SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS RURAIS DE FELIPE GUERRA, ESTÁ PASSANDO POR UMA REFORMA, TUDO COM RECURSOS PRÓPRIOS DOS ASSOCIADOS.
 A PREVISÃO PARA ENTREGA SERÁ DIA 25 DE JANEIRO DE 2.013.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Prefeito Interino Assina Convênio do Programa Garantia Safra, 2012-2013

Prefeito Interino Reginaldo Luciano Assinando
Convênio do Programa Garantia Safra 2012-2013
Na Secretaria de Agricultura do Estado em Natal
 Prefeito interino Reginaldo Luciano da Costa assinou convênio junto a Secretaria de Agricultura do Estado em Natal, nesta Quarta - Feira 19 de Dezembro do corrente ano. O programa GARANTIA SAFRA 2012-2013. O prefeito interino Reginaldo Luciano, esteve na presença do Secretario de Agricultura, Antônio de Souza e Silva e a Coordenadora do PGS (Programa Garantia Safra) Srª. Magnalda Fontoura
 
O programa garantia safra 2012-2013 para cidade de Felipe Guerra tem uma cota de 200 vagas, no momento foram preenchidas 140, a importância do programa para os agricultores e garantir sua safra si houver percas no período de chuvas ou com seca.

 Mais informação acesse a pagina do MDA,
http://comunidades.mda.gov.br/portal/saf/programas/garantiasafra

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Governadora alerta para possibilidade de extensão da estiagem

Com base no prognóstico de chuvas pouco animador para o Rio Grande do Norte, a governadora Rosalba Ciarlini convocou uma reunião com prefeitos eleitos e reeleitos dos municípios que foram decretados em estado de emergência devido à forte estiagem que afeta cerca de 95% do território do RN.
Dos 167 municípios do Rio Grande do Norte, 142 estão em estado de emergência devido à seca, sendo 139 declarados em Situação de Emergência pelo Governo do Estado, através do Decreto Estadual nº 22.637, de 11/04/2012, e reconhecido pelo Governo Federal através da Portaria nº 174, de 27/04/2012, já as cidades de Monte Alegre, Jucurutu, Nova Cruz e Passagem decretaram estado de calamidade de forma independente.
A governadora explicou para os prefeitos eleitos e reeleitos que o objetivo da reunião é dar norteamento aos que assumem o cargo para que as ações e trâmites de auxílio junto ao Governo Federal não fiquem estagnados, uma vez que a previsão de chuvas no Estado é apenas para março de 2013.
"Apesar de podermos contar com o Governo Federal, o trajeto para que o auxílio chegue é muito demorado e burocrático, esperamos que os prefeitos que vieram, principalmente os novos prefeitos, se inteirem sobre o que vem sendo feito para que os processos e ações iniciadas não parem no meio do caminho, precisamos do envolvimento e comprometimento dos gestores municipais", falou a governadora Rosalba Ciarlini.
Segundo o tenente-coronel Josenildo Acioli, coordenador da Defesa Civil estadual, a cooperação das prefeituras para o Plano de Ação estabelecido no combate aos efeitos da seca é fundamental.
"Devem ter em mente que precisam fazer sua parte. As verbas para o auxílio em caso de catástrofes e calamidades existem, mas só são liberadas mediante o envio de documentação específica e o trâmite é feito diretamente junto ao Governo Federal", lembrou o coordenador.
Acioli falou ainda acerca do trabalho realizado pela Coordenadoria da Defesa Civil Estadual e Nacional nos municípios do RN. "Já tivemos 12 equipes da Defesa Civil Nacional realizando visitas nos 139 municípios em situação de estiagem severa com mais de 30 relatórios enviados diretamente para o Centro Nacional de Gerenciamento de Desastres", informou Acioli. 

Operação Pipa atende 94 municípios potiguaresCoordenada pelo Exército brasileiro, a Operação Pipa está atendendo 94 municípios do Estado, mas de acordo com o tenente-coronel Geraldo de Almeida, coordenador da operação, o trabalho já atingiu um ponto máximo no atendimento das demandas.
"Recebo ligações quase diárias de prefeitos solicitando a inclusão de seu município na operação e aproveito esta reunião para frisar que, além de termos esgotado nossa capacidade operacional, a inclusão de municípios não é feita nem pelo Exército nem pelo Governo do Estado, e sim pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, em Brasília", informou Almeida.
Mesmo com todos os esforços realizados, o tenente-coronel Geraldo de Almeida também lembrou que a Operação Pipa também depende do volume de água dos reservatórios e a potabilidade da água.
"A água da Operação Pipa é destinada ao consumo humano para beber e cozinhar, portanto deve estar em condições sanitárias adequadas, o monitoramento desses reservatórios é de responsabilidade da prefeitura, que deve estar atenta para evitar a contaminação de uma água que está cada vez mais escassa", afirmou Almeida.
A governadora Rosalba Ciarlini anunciou para os novos prefeitos que, além da reunião da tarde dessa terça-feira (11), o Governo do RN deve estabelecer uma outra programação prevista para janeiro de 2013.
"Temos que estar em sintonia com os prefeitos, que muitas vezes usam os primeiros meses de mandato apenas para tomar conhecimento das ações em andamento e do funcionamento dos trâmites. Queremos ajudar para que os prefeitos que estão chegando saibam como participar de projetos, programas e parcerias nas mais diversas áreas como saúde, educação e segurança", explicou a governadora Rosalba Ciarlini.
Também participaram da reunião os secretários Gilberto Jales (Semarh), Luiz Eduardo Carneiro (Sethas), José Simplício (Sape) e Gustavo Szilagyi (Idema), que compõe o Comitê Gestor Integrado da Seca.

O Mossoroense:

MOVIMENTOS SOCIAIS E AGRICULTORES FAMILIARES DIZEM NÃO AO PROJETO DA MORTE

                       Mulheres de Felipe Guerra, STTR e ONG.

“Aqui, somos todas Apodi”. É com esse slogan que feministas da Marcha Mundial das Mulheres de todo o País protestaram nesta segunda-feira, 10, contra o projeto do perímetro irrigado da Chapada do Apodi. Caso seja implementado o “Projeto da Morte”, como está sendo disseminado entre ativistas, as terras produtivas de famílias camponesas serão entregues ao agronegócio.
O projeto, capitaneado pelo Departamento Nacional de Obras contra as Secas -DENOCS, consiste na desapropriação de 13.855 ha (treze mil oitocentos e cinquenta e cinco) hectares para a implementação de um programa de fruticultura irrigada sob o comando de quatro grandes empresas, deslocando de maneira forçada cerca de 6.000,00 (seis mil agricultores) que vivem em 30 comunidades na região acerca de cinquenta anos.

Segundo as entidades denunciantes, o projeto de irrigação configura-se em uma “reforma-agrária ao contrário”, uma vez que a região da Chapada do Apodi/RN vêm se consolidando como uma das experiências mais exitosas de produção de alimentos de forma agroecológica e familiar do nordeste, destacando o arroz, frutas, criação de caprinos, ovinos e bovinos, projetos de piscicultura, além do mel de abelha, maior produtora de maneira orgânica do país.

Conforme especialistas, a obra é, ainda, hidricamente inviável, já que a água disponível conseguirá irrigar o monocultivo por no máximo cinco anos, representando o mal uso de R$ 280.000,00 (duzentos e oitenta milhões de reais) dos cofres públicos, valor orçado até o momento.

A possível implantação do projeto será o fator de desarticulação da experiência agroecológica e de agricultura familiar ao priorizar a monocultura e a exploração de grandes extensões de terra, com grande utilização de agrotóxicos, causando diversos problemas aos recursos naturais e à vida humana. Representará, também, a implosão de um grave problema social, já que as indenizações a serem pagas aos agricultores serão em valores ínfimos, impossibilitando-os de ter nova moradia e outra forma de sustento. Os agricultores estão em estado de apreensão, se negam a deixar suas terras, e esperam que o Governo Federal reveja o modo como o projeto está sendo implantado.”
Mais informações no seguinte endereço: http://naoaoprojetodamorteapodi.blogspot.com.br/

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Mulheres protestam contra “Projeto da Morte”.

Aqui, somos todas Apodi”. É com esse slogan que feministas da Marcha Mundial das Mulheres de todo o País vão protestar na próxima segunda-feira, 10, contra o projeto do perímetro irrigado da Chapada do Apodi. Caso seja implementado o “Projeto da Morte”, como está sendo disseminado entre ativistas, as terras produtivas de famílias camponesas serão entregues ao agronegócio.

Para a militante Conceição Dantas, da Marcha Mundial das Mulheres, é preciso barrar esse projeto e impedir que ele seja colocado em prática. “Apodi é um território onde existem várias experiências de convivência com o semiárido. É um local onde a agricultura familiar está dando muito certo, cultivando de maneira limpa e preservando o meio ambiente. Esse projeto vem destruir tudo o que foi construído e conquistado pelas mulheres de famílias agricultoras de Apodi”, comenta.

Inicialmente, 60 famílias serão atingidas e desapropriadas de suas terras, mas esse número pode chegar a 800 famílias que moram nas 30 localidades rurais da região quando o projeto estiver em fase conclusiva. “O projeto está sendo arbitrário, ninguém chegou para essas famílias, que vivem da agricultura, e perguntaram se elas aceitavam entregar as suas terras”, explica a militante Camila Paula.

Na tentativa de amenizar a perda, o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS), órgão executor do projeto, está realizando um reordenamento agrário das terras em troca de indenização. Para cada 100 hectares estão sendo pagos R$ 1 mil, um valor considerado ínfimo diante das perdas das famílias. “São pessoas que vivem da agricultura e não têm para onde ir ou outra ocupação. A cidade não tem condições de empregar todo mundo. Como essas famílias vão ficar? Tem família que vai receber R$ 7 mil, o que é isso diante do que elas vão perder?”, indaga Camila Paula.
Fonte: Pindoba Noticias

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Dilma: meta do governo é contratar 3,4 milhões de moradias do Minha Casa, Minha Vida até 2014

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (10) que a meta do governo federal é contratar 3,4 milhões de moradias do Programa Minha Casa, Minha Vida até 2014. Segundo ela, 1 milhão de unidades já foi entregue e mais 1 milhão já foi contratado.
No programa semanal Café com a Presidenta, Dilma lembrou que mais da metade das famílias beneficiadas pela iniciativa têm renda mensal até R$ 1,6 mil. "Isso mostra que o programa está ajudando quem ganha menos, quem realmente precisa", avaliou.
Atualmente, o Minha Casa, Minha Vida atende a famílias que ganham até R$ 5 mil por mês e, para cada faixa de renda, há uma regra. Para famílias mais pobres, por exemplo, com renda até R$ 1,6 mil, o governo paga mais de 90% do valor da casa e a prestação não pode passar de 5% da renda da família ou ser, no mínimo, R$ 25.
"Além de realizar o sonho da casa própria para milhões de famílias, os investimentos que fazemos na construção das moradias movimentam a economia e geram emprego e renda para milhões de brasileiros", destacou Dilma.
Fonte: Agência Brasil

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Agricultores potiguares retornam depois de protestar contra dívidas com banco oficial em Brasília

Um ônibus com pequenos produtores rurais do Seridó volta nesta quarta-feira (5) de Brasília para Acari, trazendo na bagagem a promessa do Governo Federal de que será buscada uma solução para as dívidas desses agricultores com o Banco do Nordeste.
O protesto, realizado na terça (4) reuniu agricultores do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas e Bahia e chamou a atenção da mídia nacional para o problema.
Cerca de 400 pequenos produtores rurais nordestinos passaram o dia na Praça dos Três Poderes, exibindo carcaças de bois mortos pela seca e fechando uma das vias em frente ao Palácio do Planalto. À tarde, uma comissão foi recebida pelo assessor especial da secretaria-geral José Lopes Feijó. Foi acertado que hoje seria entregue um documento contendo as reivindicações dos produtores. Depois disso, as caravanas voltam para seus estados.
“Vamos dar uma trégua, mas caso o governo não apresente uma solução, voltaremos a protestar”, afirmou Braz, que participou da reunião no Palácio do Planalto e da elaboração do documento. Os pequenos agricultores argumentam que as dívidas contraídas no Banco do Nordeste ficaram impagáveis, principalmente devido à seca prolongada na região. “Estamos tendo as nossas terras sendo executadas, sendo que o governo tinha garantido que isso não ia acontecer”, argumenta o produtor acariense.
Os agricultores querem que a presidente Dilma analise a questão da dívida não só pelo aspecto econômico, mas também pelo aspecto social. Além do perdão dos débitos, querem a abertura de novos financiamentos e o fim das execuções.
De Fato.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

FETARN REALIZA CERIMÔNIA EM COMEMORAÇÃO AOS SEUS 50 ANOS DE EXISTÊNCIA

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Rio Grande do Norte (FETARN) comemorou ontem, 29 de novembro, 50 anos de história. A instituição foi criada em 1962, com o apoio inicial de 15.000 trabalhadores e trabalhadoras rurais sindicalizados na época em pelo menos 26 sindicatos distribuídos na base norte-rio-grandense.
Durante a solenidade, que contou com a presença de dirigentes de todos os Polos Sindicais do Estado e também de várias autoridades parceiras do MSTTR, houve um resgate histórico das lutas e das conquistas que a meio século tem contribuído para a melhoria da qualidade de vida do homem e da mulher do campo. A retrospectiva da vida sindical foi apresentada sob o comando de José Rodrigues Sobrinho e Francisco Urbano Araújo Filho, ambos ex-presidentes da entidade. Ao final da solenidade a atual Diretoria da FETARN homenageou todos os ex-presidentes que passaram pela entidade, inclusive os familiares “In memória” aos dirigentes já falecidos.
Muitas autoridades se fizeram presente na Cerimônia, onde podemos citar: Maria Elenice Anastácio (CONTAG), Raimundo Costa Sobrinho (DFDA), Ana Paula Supervisora Local do PDHC, Cláudio Gabriel (Superintendência do Trabalho), representação das Centrais: CUT e CTB, do mandato da Deputada Fátima Bezerra, diretores das ONGs parceiras e diversos outros convidados.
Após a cerimonia formal, todos os convidados em clima de comemoração festiva, se deslocaram ao pátio externo da FETARN, para um jantar organizado pela assessoria da entidade, que contou com churrasco, bebidas e música ao vivo. Na oportunidade houve o corte do bolo dos 50 anos da entidade onde todos tiveram a oportunidade de saborear.







quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Agricultores/as de Caraúbas dizem não a implantação de cisternas de plástico.

Caraúbas, no Rio Grande do Norte, é o mais novo município a dizer “não” às cisternas de plástico/PVC. A localidade, beneficiada pelo Programa Um Milhão de Cisternas (P1MC), reforça o coro formado por outros municípios, associações e organizações não governamentais, entre elas a Diaconia, em defesa da construção de cisternas de placa nas propriedades das famílias agricultoras. “Além de mais caras, as cisternas de PVC armazenam um volume menor de água e são menos resistentes, tornando-se lixo plástico no meio ambiente”, explica o coordenador da Unidade Territorial da Diaconia em Umarizal, Leonardo Freitas.

Desenvolvido em parceria com o Governo Federal – Ministério do Desenvolvimento Social, o P1MC é uma das ações do Programa de Formação e Mobilização Social para a Convivência com o Semiárido da ASA. O objetivo é beneficiar cerca de cinco milhões de pessoas em toda Região com água potável para beber e cozinhar, através das cisternas de placas. “No entanto, o Ministério da Integração Nacional, no afã de universalizar o acesso à água e atender a metas do `Água para Todos`, licitou a compra de cisternas de PVC a uma empresa multinacional. Afora a questão do custo benefício, a decisão também interrompe o processo pedagógico realizado pela ASA junto às comunidades beneficiadas pelo programa”, pontua Freitas.

Ainda de acordo com o coordenador, não se sabe ao certo quantas cisternas de plástico foram adquiridas pelo Governo Federal. “Fala-se em 300 mil unidades, mas não existe um dado oficial. Sabemos que, devido à pressão da sociedade e à campanha que a ASA encampou, esse número deve diminuir consideravelmente, uma vez que os municípios e a sociedade estão sensibilizados e cientes desse absurdo”, observa.  

Campanha - A ASA vem desenvolvendo uma campanha no Semiárido para incentivar que os municípios rejeitem as cisternas de PVC. A decisão de aceitar ou não a instalação das cisternas é do gestor municipal. Em Caraúbas, após reunião com 42 beneficiários das cisternas e representantes de diversas entidades, entre elas a Diaconia, o prefeito local se comprometeu a enviar um ofício à Fundação Nacional de Saúde (Funasa), afirmando que não receberá as cisternas de PVC no município. 

Debate - No próximo dia 23, será realizado um seminário na localidade para falar sobre as cisternas de PVC, com a participação de lideranças comunitárias locais e regionais, imprensa, prefeitos, integrantes de ONGs parceiras e outros. A Diaconia estará presente como expositora dos prejuízos trazidos pelas cisternas de PVC e em defesa da continuidade das cisternas de placas para todo o Semiárido.
Noticias do Campo.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

FETARN conquista prorrogação do CREDITO ESTIAGEM

A CONTAG e as Federações de Trabalhadores na Agricultura do NE, inclusive, a FETARN estiveram reunidos com o Ministério da Agricultura e Secretaria Geral da Presidencia da República, no ultimo dia 22/11, onde foram discutidas medidas emergenciais para enfrentamento dos efeitos da estiagem.

Dentre as principais podemos destacar a prorrogação do Crédito Estiagem com a contratação até 28 de fevereiro de 2013, que através da Resolução do CMN 4.177/2012, ocorreu a definição deste novo prazo para que mais agricultores possam acessar o crédito e tentar salva os seus rebanhos e permanecer na atividade rural.


O Governo Federal comprometeu-se, ainda, em ampliar a oferta de milho através de venda de balcão da CONAB, ampliação dos abastecimento d´água e outras medidas que venham a amenizar as consequencias da falta de chuvas.


Marcos George